Câmara Municipal de Caratinga – 2014 – Assistente Jurídico Legislativo

Informações sobre o concurso

Órgão: Câmara Municipal de Caratinga/MG

Ano: 2014

Cargo: Assistente Jurídico Legislativo

Banca: Consulplan

 

Orientações da banca

A Prova Discursiva (Redação) é de caráter eliminatório e classificatório, constituída de uma redação.

Para a Prova Discursiva (Redação), o candidato deverá formular texto com extensão máxima de 30 (trinta) linhas.

A Prova Discursiva (Redação) deverá ser manuscrita, em letra legível, com caneta esferográfica de corpo transparente e de tinta azul ou preta, não sendo permitida a interferência e/ou a participação de outras pessoas, exceto no caso de candidato que solicitou atendimento especial para este fim, nos termos do Edital. Nesse caso, o candidato será acompanhado por um fiscal da CONSULPLAN devidamente treinado, para o qual deverá ditar o texto, especificando oralmente a grafia das palavras e os sinais gráficos de pontuação.

O candidato receberá nota zero na Prova Discursiva (Redação) em casos de fuga ao tema, de não haver texto, de manuscrever em letra ilegível ou que o conteúdo esteja grafado por outro meio que não o determinado no item anterior, bem como no caso de identificação em local indevido.

Será desconsiderado, para efeito de avaliação, qualquer fragmento de texto que for escrito fora do local apropriado ou que ultrapassar a extensão máxima permitida.

A Prova Discursiva (Redação) terá o valor de 20 (vinte) pontos.

 

Prova de Redação – Câmara Municipal de Caratinga – 2014 – Assistente Jurídico Legislativo

Texto I

HugerGamesPoster

A história de um reality show em que adolescentes são forçados a matar uns aos outros parece transmitir uma mensagem de violência para o público da faixa etária dos jogadores. No entanto, a série Jogos Vorazes, escrita pela americana Suzanne Collins, se propõe ser um alerta para o que pode ocorrer com o mundo caso as pessoas não cuidem dele — na saga, a injusta nação Panem é formada pelo que restou da América do Norte, vítima de uma série de catástrofes naturais. É o que diz a escritora americana Lois H. Gresh, autora do guia Hunger Games – A Filosofia por Trás dos Jogos Vorazes (Lua de Papel, 39,90 reais), para quem a trilogia é uma crítica ao mundo atual. “A saga é uma reflexão, um espelho dos nossos tempos. Ela é um aviso de que nós precisamos nos unir e nos salvar de um futuro que pode ser parecido com o de Jogos Vorazes”.

Segundo Lois H. Gresh, autora do guia, a trilogia é uma reflexão, um espelho dos nossos tempos. Em minha opinião, ela é um aviso de que nós, como espécie inteligente, precisamos nos unir e nos salvar de um futuro que, ainda que remotamente, pode ser parecido com o de Jogos Vorazes. Fome generalizada, crianças enviadas para o matadouro da guerra, colapsos ambientais, atos terroristas e guerra nuclear não são coisas certas. Posicionando‐se contra esses temas, Suzanne Collins nos traz uma história linda.

(Disponível em: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia.)

Texto II

A barbárie como sedução

Gillian Tett, colunista do “Financial Times”, lança uma proposta que parece (ou é) ingênua, mas que tem lá seu fundamento lógico.

Ela sugere que as pessoas parem de acessar, nas redes sociais, os vídeos postados pelo EI (Estado Islâmico) mostrando o assassinato selvagem de seus prisioneiros, seja pela decapitação seja queimando vivo um deles.

Tett apoia‐se no antropólogo Frances Larson, da Durham University, estudioso de decapitações (as antigas), para quem “só há vitória nas ações dos assassinos quando nós as assistimos”. […]

O que torna ingênua, a meu ver, a proposta de Gillian Tett de pararmos de clicar nos vídeos postados pelo EI é o fato de que há uma diferente reação a eles: a maior parte dos espectadores se horroriza (pelo menos espero que se horrorize), mas uma parcela bem menor (espero) fica fascinada e atraída pela barbárie. […]

(ROSSI, Clóvis. Folha de S. Paulo, 08 de fevereiro de 2015.)

———-

As barbáries vistas no passado voltam à cena com força brutal. Diante de tal cenário de horror, a sociedade deve questionar‐se acerca das reações ocorridas e das reações devidas. Com base nos textos motivadores, redija um texto dissertativo‐argumentativo acerca do tema:

“Indignação e protestos diante da propagação de atos de violência, barbárie e desrespeito à humanidade”.

 

Dicas da Oficina

Antes de começar a escrever, pesquise sobre o tema e anote os argumentos relevantes que encontrar.

Na hora de escrever, simule o ambiente de prova. Escreva em uma folha de redação numerada, cronometre o tempo e não se distraia. Isso fará com que você fique menos ansioso durante a prova oficial.

Corrija suas redações. Você pode pedir a um amigo, a um professor ou pode enviar seus textos para a equipe da Oficina de Redação. Nossos Planos de Correção Detalhada são praticamente cursos particulares de redação, pois identificamos e damos instruções para você corrigir todos os erros que cometer. É comum os nossos alunos garantirem notas acima de 80,0 pontos e escreverem textos excelentes em cerca de 1 hora.

Independentemente da alternativa que você escolher, corrigir os erros antes da prova é o que garantirá a sua aprovação, portanto, não deixe de fazer isso.